Objetivos

Nossa missão e comprometimento


Vivenciar e organizar eventos, cursos e práticas efetivas para o desenvolvimento da permacultura, da agroecologia, da bio-construção, das artes e cultura tradicional na defesa dos valores conservadores.

A permacultura é um método holístico para planejar, atualizar e manter sistemas de escala humana (jardins, vilas, aldeias e comunidades) ambientalmente sustentáveis, socialmente justas e financeiramente viáveis, e assim possibilitar na prática a harmonia com todas as nossas relações sociais e com a natureza.

Foi criada pelos ecologistas australianos Bill Mollison e David Holmgren na década de 1970. O termo, cunhado na Austrália, veio de permanent agriculture, e mais tarde se estendeu para significar permanent culture. A sustentabilidade ecológica, idéia inicial, estendeu-se para a sustentabilidade dos assentamentos humanos.

Os princípios da Permacultura vem da posição de Mollison de que "a única decisão verdadeiramente ética é cada um tomar para si a responsabilidade de sua própria existência e da de seus filhos" (Mollison, 1990). A ênfase está na aplicação criativa dos princípios básicos da natureza, integrando plantas, animais, construções, e pessoas em um ambiente produtivo e com estética e harmonia. E, neste ponto encontra paralelos com a Agricultura Natural, que sendo difundida intencionalmente pelas pesquisas de Masanabu Fukuoka por todo o mundo, chegaram as mãos dos senhores fundadores da permacultura e foram por eles desenvolvidas.

Permacultura é uma síntese das práticas agrícolas tradicionais com idéias inovadoras. Unindo o conhecimento secular às descobertas da ciência moderna, proporcionando o desenvolvimento integrado da propriedade rural de forma viável e segura para o agricultor familiar.

A permacultura, além de ser um método para planejar sistemas de escala humana, proporciona uma forma sistêmica de se visualizar o mundo e as correlações entre todos os seus componentes. Serve, portanto, como meta-modelo para a prática da visão sistêmica, podendo ser aplicada em todas as situações necessárias, desde como estruturar o habitat humano até como resolver questões complexas do mundo empresarial.

Permacultura é a utilização de uma forma sistêmica de pensar e conceber princípios ecológicos que podem ser usados para projetar, criar, gerir e melhorar todos os esforços realizados por indivíduos, famílias e comunidades no sentido de um futuro sustentável.

A Permacultura origina-se de uma cultura permanente do ambiente. Estabelecer em nossa rotina diária, hábitos e costumes de vida simples e ecológicos - um estilo de cultura e de vida em integração direta e equilibrada com o meio ambiente, envolvendo-se cotidianamente em atividades de auto-produção dos aspectos básicos de nossas vidas referentes a abrigo, alimento, transporte, saúde, bem-estar, educação e energias sustentáveis. (RICIARDI, Ju. 2008)

Tradicionalmente diz-se que os três pilares da Permacultura são: Cuidado com a Terra, Cuidado com as Pessoas e Repartir os excedentes. Na Ecovila Bambu expandimos este conceito para um modelo de 5 princípios éticos, conforme descrito abaixo.

Somos eternos aprendizes de jardineiro nesta arte-ciência, dentro de uma visão de equilíbrio, sem fanatismos ou fundamentalismos, aproveitando o prático de cada técnica e sempre aliada com a inovação tecnológica.

Ao longo dos anos temos partilhado de inúmeros projetos como: bio-construção com terra, cob, cordwood, super-adobe, telhado verde, agrofloresta, geodésicas, fogões de alta eficiência energética, aquecimento solar, compostagem, minhocário, sistemas de biorremediação de água, etc.

Estamos também sempre abertos para parcerias e integração com outros modelos de trabalho e projetos similares. Nosso espaço está a disposição para locação de eventos que venham somar valores neste nobre ideal.

Nossa ética em 5 princípios



Procuramos viver, trabalhar e desenvolver os seguintes princípios éticos:

ECOVILA

Ecovila é um modelo de assentamento humano. São comunidades de pessoas que tem a intenção de integrar uma vida social harmônica a um estilo de vida rural e de auto-suficiência. São entidades autônomas na medida em que preenchem, numa área limitada e apreensível, as principais funções sociais: moradia, sustento, produção, vida social, lazer etc. Nesse sentido pode-se entender uma ecovila como um microcosmo.

Neste contexto as ecovilas surgem como modelos alternativos ao padrão insustentável das sociedades modernas, incorporando os antigos conhecimentos conservadores e da tradição com a moderna tecnologia, ciência. Os modelos de auto-suficiência desenvolvidos ao longo de mais de 40 anos pelas milhares de ecovilas ao redor do mundo formam um grande banco de dados de soluções aos atuais problemas da humanidade e fonte de riquíssimas experiências que podem ajudar a reconectar as pessoas à terra numa forma que permita o bem estar das futuras gerações.

É perfeitamente possível que o ser humano seja capaz de criar uma vida cheia de amor e sentido. E esta é a parte central em uma ecovila, sua vida social, cultural e espiritual.

Em 1998, as ecovilas foram nomeadas oficialmente na lista da ONU como uma das 100 melhores práticas modelo vida sustentável.

BAMBU

Aprendendo a ser como o bambu chinês:

Se curva mas não quebra ensinando assim a preciosa lição da humildade e da flexibilidade;

A fragilidade é apenas aparente e há registros de que suporta até furacões;

Vive sempre em comunidade dando exemplo da importância da família;

Não se deixa derrotar pelas adversidades e mesmo após um inverno rigoroso retorna rapidamente ao vigor;

Busca a sabedoria no vazio com seu interior oco, lembrando-nos de estar receptivos ao novo;

Cresce sempre para o alto visando os céus e o mundo espiritual;

Vive na simplicidade com poucos ou quase nada de galhos ou adornos sem utilidade;



Quem planta colhe!



“O principal negócio terreno do ser humano é construir seu lar e seus arredores, tão simbólico e significativo para sua imaginação quanto ele seja capaz.” – Chesterton